Centro Pop de Ilhéus realiza atendimento diário às pessoas em situação de rua.
redação

Localizado na Avenida Candeias, no bairro da Conquista, o Centro de Pessoas em Situação de Rua (Centro Pop) de Ilhéus tem realizado abordagens e atendimentos diariamente com os usuários do serviço que funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas. O trabalho faz parte da rede de proteção social do município e possui uma equipe técnica especializada, cujo objetivo é reinserir o cidadão em situação de rua na sociedade.

 

Atualmente, o Centro Pop perfaz uma média de 40 a 50 atendimentos por dia, e entre 580 a 620 ao mês, com serviços psicológico, assistencial, acompanhamento ao SAC para a obtenção de documentos, Cadastro Único (CadÚnico), além de intercâmbio para ajudar aos usuários a retornarem para o seio familiar. Quando necessário, o Centro Pop também os direciona para órgãos de saúde e casas de recuperação, no caso daqueles que são usuários de drogas.

 

"Desde o início da gestão, organizamos os serviços e a equipe profissional do Centro Pop para proporcionar todo o suporte necessário a esse público. Sabemos que eles precisam de muita atenção, e, na maioria das vezes, eles recusam o acolhimento da equipe. Por ser um público também andarilho, a nossa equipe realiza a busca ativa, intensamente, em vários locais da cidade, até eles aceitarem o serviço", destaca o secretário de Desenvolvimento Social, Rubenilton Silva.

 

Os usuários do Centro Pop participam de oficinas técnicas específicas com psicólogo e assistente social, arte terapia, pintura, reciclagem, atividades cognitivas em grupo e alfabetização, através do Programa Todos pela Alfabetização (TOPA), com direito a certificado após a conclusão do curso. Além disso, o serviço oferece duas refeições diárias (café e almoço), local para banho, escovação dos dentes, lavagem e secagem das roupas.

 

Ida Voluntária - O coordenador do Centro Pop, Raull Sena, destaca que a maior dificuldade desse público é aceitar participar do serviço. "A equipe de abordagem da SDS atua diariamente nas ruas, realiza busca ativa, em todos os pontos do município, mas muitos deles não querem sair dessa condição de vida. Não podemos forçar a participarem, pois a política do SUAS não permite isso.  A ida deles para o Centro Pop tem que ter caráter voluntário", salienta.

 

Outra situação agravante, é que muitos deles também são dependentes químicos ou possuem distúrbios psicológicos.  O coordenador ainda ressalta a problemática que o município de Ilhéus vem sofrendo, recebendo muitas pessoas em situação de rua de outras cidades.

 

"Temos um serviço que é destaque na Bahia, somos considerados pela Secretaria Estadual de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social e Superintendência de Assistência Social do Estado da Bahia, como modelo e referência para outros municípios. Mas, a cidade recebe pessoas em situação de rua de outras localidades; as próprias prefeituras mandam ônibus com pessoas e aí fica parecendo que o nosso trabalho não funciona, o que não é verdade", salienta o coordenador.

 

Aumento do Índice de Pobreza – Uma pesquisa divulgada pelo Banco Mundial, realizada em fevereiro de 2017, revela que até o final do ano passado, o Brasil teria um aumento de 2,5 milhões para até 3,6 milhões no número de pessoas vivendo na miséria, como resultado da prolongada crise econômica. O coordenador do Centro Pop, Raull Sena, relata que isso interfere diretamente no crescimento do índice de pessoas em situação de rua.

 

"Quando aumenta o índice das pessoas abaixo da linha de pobreza, gera um reflexo direto na rua; elas deixam de ter acesso a alguns recursos básicos e ao emprego, o que gera a incidência de pessoas morando nas ruas, e, associado a isso, ainda temos a diminuição dos recursos dos programas federais que afeta diretamente nos programas sociais executados nos municípios", explica Sena.

 
 
mais notícias....